Manaus, 5 de julho de 2022

Música

Foto: Michael Dantas/SEC
Foto: Michael Dantas/SEC Foto: Michael Dantas/SEC

Edição 23ª do Festival Amazonas de Ópera será em 2021, de forma híbrida

Edição será dedicada a compositores e intérpretes brasileiros.

A 23ª edição do Festival Amazonas de Ópera (FAO) será realizada em 2021, de forma híbrida. O anúncio foi feito na noite de domingo (25/10), no Teatro Amazonas, durante recital em comemoração ao Dia Mundial da Ópera.

Realizado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com patrocínio do Bradesco e da Motorola, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, Ministério do Turismo e Secretaria Especial de Cultura, o evento ocorrerá de 24 de abril a 9 de maio, em versão híbrida: com programação on-line e presencial.

A programação do 23º FAO é vasta. Além de óperas, concertos, recitais, o evento conta com masterclasses, mesas redondas e vídeos educacionais.

O festival terá transmissão pelas redes sociais oficiais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas (@culturadoam) e do FAO (@festivalamazonasdeopera); e pela TV Encontro das Águas (canal 2.1 da TV aberta).

Inicialmente marcado para abril de 2020, em comemoração aos 250 anos de nascimento do compositor alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827), o 23º FAO foi suspenso, ainda no mês de março, quando surgiram os primeiros casos de Covid-19 no Amazonas.

“Assim como outros eventos culturais tradicionais no Estado, adiamos o Festival Amazonas de Ópera como medida de prevenção e controle da Covid-19. Não há, por exemplo, como fazer ópera sem coro, e o Coral do Amazonas ainda não voltou aos ensaios, pois essa é considerada uma atividade de alto risco de transmissão do vírus. Nossa prioridade, agora, é preservar a saúde das pessoas: dos artistas, técnicos, dos colaboradores e do público”, disse o secretário de Cultura e Economia Criativa, Marcos Apolo Muniz.

Festival será em 2021. Foto: Michael Dantas/SEC

Foco no Brasil

O FAO 2021 será totalmente dedicado a compositores e intérpretes brasileiros, com três estreias: ‘Três Minutos de Sol’, de Leonardo Martinelli; ‘O Corvo’, de Eduardo Frigatti; e ‘Moto-contínuo’, de Piero Schlochauer. Todas as obras foram encomendadas especialmente para o festival.

O maestro Luiz Fernando Malheiro, diretor artístico do FAO, destacou que o festival fará um panorama de 165 anos de repertório brasileiro.

“Em 2020, a classe artística em geral sofreu muito por conta da pandemia, incluindo os compositores que se dedicam ao repertório de música de concerto e ópera. Achei interessante dedicar o festival a compositores brasileiros, e não só contemporâneos, a gente vai fazer um panorama de 165 anos de repertório”, adiantou.

O diretor artístico ressaltou que todas as obras serão para orquestra de câmara. “Todo o repertório, das óperas e dos concertos, foi pensado para orquestra pequena, envolvendo até 12 pessoas, e sem coral. Haverá sempre um solista, em uma das obras teremos quatro solistas, e esse é o máximo”, explicou Malheiro.

Edição terá formato híbrido. Foto: Michael Dantas/SEC

As óperas

‘Três Minutos de Sol’, de Leonardo Martinelli, vai abrir a programação no dia 25 de abril, às 19h (horário de Manaus). Ópera de câmara, com libreto de João Luiz Sampaio, aborda os relacionamentos em tempo de pandemia. Narra a história de três pessoas que estão em lugares diferentes, cada uma em sua casa, que convivem e se relacionam por meio das mídias sociais. O nome da ópera faz referência ao tempo em que uma dessas pessoas fica perto da janela esperando o sol bater diariamente por apenas três minutos.

Obra de Eduardo Frigatti, ‘O Corvo’ será apresentada no dia 2 de maio, às 19h. Baseada no poema de Edgar Allan Poe, traduzido por Machado de Assis, a ópera de câmara narra a visita perturbante de um corvo a um homem que acaba de perder sua amada, e o mesmo vê a ave como uma mensageira sobrenatural.

Já ‘Moto-contínuo’, de Piero Schlochauer, encerrará o festival no dia 9 de maio, às 19h. Com libreto de Beatriz Porto, Isabela Pretti e Piero Schlochauer, a obra conta a história de uma inventora que recebe um pedido para construir um moto-contínuo que leve um homem viajante ao espaço.

Produção

Segundo a Secretaria de Cultura, o processo de produção do FAO 2021 é um desafio. Malheiro antecipou que óperas e concertos serão feitos em etapas. ‘Esse processo, apesar de desafiador, é muito interessante, pois nos inspira a experimentar novas maneiras de apresentar um repertório. No que diz respeito às óperas e aos concertos, primeiro a orquestra será gravada – áudio e vídeo – no palco do Teatro Amazonas, pela equipe do Audiovisual da Secretaria em parceria com o músico Igor Jouk; depois a gravação será enviada para São Paulo, onde o material será editado com a voz dos solistas”, disse o maestro.

No caso das óperas, o material gravado vai ser usado pelos diretores de cena. Por uma questão de logística, a parte cênica da ópera será trabalhada em São Paulo. Já os recitais de canto e piano, com cantores amazonenses, serão realizados ao vivo.

Confira a programação

24 de abril, 16h – Mesa-redonda

“O futuro da ópera pós-pandemia no
Brasil e no mundo”

25 de abril, 19h – Ópera

Leonardo Martinelli: “Três Minutos de
Sol”

26 de abril, 20h – Recital

Canções de Almeida Prado – Francisco
Mignone – Ronaldo Miranda

27 de abril, 16h – Mesa-redonda

“Teatros de Ópera e a Economia
Criativa no Brasil e na América Latina”

28 de abril, 20h – Recital

Canções de Almeida Prado – Ernani
Aguiar – João Guilherme Ripper – Osvaldo Lacerda – Ronaldo Miranda

29 de abril, 20h – Recital

Canções de Chiquinha Gonzaga

30 de abril, 20h – Concerto

Fernando Riederer: “Duas Flores”

01 de maio, 16h – Mesa-redonda

“A profissão do compositor no Brasil”

01 de maio, 20h – Concerto

Laiana Oliveira: “Vox Populi” (2016)

“Vírus Verbal em Quatro Miniaturas”
(2020)

02 de maio, 19h – Ópera

Eduardo Frigatti: “O Corvo”

03 de maio, 20h – Concerto

Tatiana Catanzaro: “Sans Rien Dire”
(2004)

Tatiana Catanzaro: “Spaziergang”

04 de maio, 20h – Concerto

Vinicius Giusti: “Dire è Fare”

05 de maio, 16h – Masterclass

Composição de Ópera: Novas linguagens,
streaming – Até que ponto ajuda ou prejudica a ópera?

05 de maio, 20h – Recital

Canções de Carlos Gomes

06 de maio, 20h – Recital

Canções Amazonenses

07 de maio, 16h – Masterclass

A arte do canto na ópera contemporânea
– Especialização ou não?

07 de maio, 20h – Concerto

Paulina Łuciuk: “Ária dos olhos”

08 de maio, 20h – Concerto

Willian Lentz: “A Máquina
Entreaberta”

09 de maio, 19h – Ópera

Piero Schlochauer: “Moto-contínuo”

De 26 de abril a 09 de maio, 10h
Série de vídeos educacionais

Vídeos educacionais – Raio X da Ópera

COMPARTILHE