Manaus, 1 de agosto de 2021

Gastronomia

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Nutricionista explica os benefícios do chocolate para a saúde

Lívia Ribeiro afirma que o chocolate possui antioxidantes.

Com informações da assessoria

Na quarta-feira (7/7) será comemorado o Dia Internacional do Chocolate, uma paixão mundial. Tratado muitas vezes como inimigo da dieta, o chocolate, diferente do que alguns podem pensar, também é benéfico para a saúde.

A nutricionista do Superatacado Nova Era, Lívia Ribeiro, explicou que o chocolate possui antioxidantes, que atuam no corpo, oferecendo a sensação de bem-estar. Além disso, o alimento ajuda a aliviar o estresse, combater a ansiedade, melhorar o raciocínio e aumentar o bom humor, com a liberação de serotonina.

Segundo a nutricionista, vai definir se a iguaria irá fazer bem ou mal é a quantidade consumida. Por isso, a recomendação é manter a moderação.

Ao longo dos anos, foram surgindo diversas versões diferentes de chocolate, que se adequam aos diversos paladares. “Hoje, há no mercado há opções para pessoas diabéticas, intolerantes à lactose, glúten, veganos. Ninguém precisa deixar de consumir o produto, porque tem alguma restrição alimentar ou segue determinada dieta. Todas essas alternativas são tão saborosas como o chocolate tradicional”, destacou Lívia Ribeiro.

Lívia Ribeiro explicou que o chocolate possui antioxidantes, que atuam no corpo, oferecendo a sensação de bem-estar. Foto: Divulgação

O Superatacado Nova Era ressaltou que possui um mix variado para os apaixonados por chocolates. Conforme a rede, as opções atendem a todas essas especificidades. A variedade está disponível no site https://www.supernovaera.com.br.

De acordo com Lívia Ribeiro, no chocolate meio amargo há nutrientes como magnésio, cobre, ferro, potássio, zinco e selênio. Ela ressaltoy que esse tipo de chocolate pode ser consumido todos os dias, na quantidade máxima de 50 gramas.

No caso do chocolate ao leite, a indicação da nutricionista é evitar o consumo diário, pois na composição do produto há um teor abaixo de 50% de cacau e uma quantidade maior de açúcar. “Esses ingredientes fazem com que esse tipo de chocolate seja mais cremoso e tenha um sabor mais adocicado, o que em grandes quantidades não é bom para a saúde”, frisou.

A versão branca é um tipo de chocolate que não leva as amêndoas de cacau processadas em sua composição. Leva apenas a manteiga de cacau extraída das sementes do fruto, açúcar e leite. Por ter uma grande quantidade de açúcar e gordura, também, deve ser consumida em pouca quantidade.

Existe, ainda, o chocolate ruby, que possui coloração naturalmente rosada. É feito a partir de frutos do cacau cultivados no Brasil, Equador e na Costa do Marfim. Esse é um chocolate com aproximadamente 47% de teor de cacau e 36% de gordura. Além disso, apresenta tons mais ácidos e frutados na boca.

Para os diabéticos, há as opções de chocolates diet. Nessa versão, são retirados o açúcar e, para manter a mesma qualidade do chocolate tradicional, adiciona-se mais gordura, o que faz com que tenha ainda mais calorias do que os outros.

Tem, ainda, chocolates lights. Sua principal característica é a redução de pelo menos 25% do teor de calorias, quando comparado com a versão tradicional. Lívia afirmou que, para conseguir isso, os fabricantes diminuem a quantidade de algum nutriente energético, que pode ser o açúcar ou a gordura.

“Produtos light não são indicados para diabéticos, porque ainda têm açúcar, ainda que em menor quantidade”, alertou.

COMPARTILHE