Manaus, 16 de agosto de 2022

Festival de Parintins

Foto: Michael Dantas/SEC-AM
Foto: Michael Dantas/SEC-AM Foto: Michael Dantas/SEC-AM

Boi Caprichoso é campeão do Festival de Parintins 2022

Boi Caprichoso conquistou o 23° título no festival.

Da redação

O Boi Caprichoso é o campeão do Festival de Parintins 2022. O bumbá da nação azul e branca venceu e conquistou o 23° título na 55ª edição o evento, com o tema ‘Amazônia: nossa luta em poesia’. Relembre as apresentações.

O resultado saiu nesta segunda-feira (26/6), após apuração realizada no Centro Cultural – Bumbódromo, em Parintins, no Amazonas. O evento foi aberto ao público e teve início às 14h, em Parintins.

Confira as notas:

1ª noite

  • Caprichoso – 419.7
  • Garantido – 419.2

2ª noite

  • Caprichoso – 419.7
  • Garantido 419.3

3ª noite

  • Caprichoso – 419.9
  • Garantido – 420

O espetáculo cultural voltou a ser realizado em 2022, após dois anos de paralisações por conta da pandemia da Covid-19.

Boi Caprichoso e o levantador de toadas, Patrick Araújo. Foto: Michael Dantas/SEC-AM

Apresentações Caprichoso

O Caprichoso encerrou a primeira noite de apresentações do Festival Folclórico de Parintins. Com um manifesto em desfesa da preservação, o bumbá apresentou o subtema ‘Amazônia-Floresta: o grito da vida’.

Ainda na sexta-feira (24/6), ocorreu o ritual indígena Tuparí, que trouxe o pajé Erick Beltrão. O parintinense fez sua estreia no Festival Folclórico pelo lado azul.

Boi Caprichoso no meio da galera azul e branca. Foto: Bruno Zanardo/Secom

Já na segunda noite, sábado (25/6), o touro negro abriu as apresentações do festival e desenvolveu o subtema ‘Amazônia-Aldeia: o brado do povo’. No espetáculo, o momento tribal reverenciou mulheres guerreiras como Tuíra Kayapó, Célia Xacriabá, Sônia Guajajara, Sâmela Sateré, Alessandra Kabá, Teporí Yawalapiti e a cunhã-poranga Marciele Albuquerque Munduruku.

Para encerrar o 55° Festival Folclórico de Parintins, neste domingo (26/6), o Caprichoso apresentou o espetáculo ‘Amazônia-Festeira: o clamor da cura’ A apresentação focou nas raízes identitárias do boi e homenageou o fundador, Roque Cid.

No Ritual Indígena (item 4), o Caprichoso fez sua apoteose descrevendo ‘Yanomami Reahú – Festa da Vida-Morte-Vida’, com fundamentação nos contos do xamã e líder político da floresta, Davi Kopenawa. O momento de comunhão e luta pela terra-floresta foi marcado pela participação do líder indígena Yanomami, Dário Kopenawa.

Operação logística

O bumbá da estrela na testa contou com uma operação logística que envolveu dois guindastes, um de 80 toneladas e outro de 500 toneladas; além de dois caminhões munck, três empilhadeiras e dois caminhões de transporte de tropa, para ajudar na montagem das estruturas.

Ao todo, foram 17 alegorias construídas por 11 equipes de artistas, para as três noites de apresentação.

Caprichoso nas três noites de apresentações:

COMPARTILHE