Manaus, 28 de novembro de 2022

Religião

Foto: Marcio James/Semcom
Foto: Marcio James/Semcom Foto: Marcio James/Semcom

Arquidiocese de Manaus defende vacinas contra Covid-19: ‘questão de ética’

Igreja também adiou retorno das atividades presenciais.

Da redação

A Arquidiocese de Manaus emitiu um comunicado, nesta quarta-feira (20/01), em que defendeu a imunização contra Covid-19 por meio das vacinas, por “ética” e outras questões. A carta, que foi assinada pelo arcebispo metropolitano, Dom Leonardo Steiner, informa, ainda, a prorrogação da suspensão das atividades presenciais até o dia 20 de fevereiro.

Na mensagem, Dom Leonardo afirma que a aprovação das vacinas veio como “alento”, e que a igreja defende e alerta os fiéis e toda sociedade para acompanhar com atenção o calendário de imunização, se dispondo a ser vacinado.

“É uma questão ética, é uma questão de solidariedade, é uma questão de cuidado conosco e com os outros. Não nos deixemos levar por discursos desinformados. As desinformações e notícias falsas já nos causaram perdas dolorosas”, diz a mensagem.

Suspensão das atividades presenciais

A Arquidiocese de Manaus prorrogou a suspensão das atividades presenciais até o dia 20 de fevereiro e destacou que abrirá um canal de atendimento para “pessoas machucadas”. Na mensagem, a instituição católica afirma que assistiu estarrecida o colapso do sistema de saúde no Amazonas, citando a falta de oxigênio.

“Igualmente estarrecedor e causa de indignação foram os repetidos desencontros, inércia e desarticulação do poder público, ineficiente diante de um quadro de tanta gravidade. Sentimos a ausência dos poderes num momento tão delicado em que estava em jogo a vida de centenas de pessoas e muitas se perderam. No meio de tanto sofrimento, elevamos nossa voz à nação e ao mundo: ‘Pelo amor de Deus, nos enviem oxigênio!”, afirma o texto.

A Arquidiocese disse saber que o atual cenário não passará em pouco tempo e, diante disso, decidiu estender “os cuidados já manifestados em orientação anterior”. Segundo a instituição, os presbíteros e o Conselho Presbiteral foram consultados.

Em seguida, a Arquidiocese listou as orientações:

  1. Permanecem suspensos os encontros e reuniões de caráter pastoral;
  2. As Missas e Celebrações da Palavra continuam sem a participação comunitária,
    sendo transmitidas pelas redes sociais por meio de uma equipe reduzida que auxilia
    o ministro que preside;
  3. Permanecem as orientações a respeito da abertura das Igrejas, onde possível, para
    oração e das secretarias paroquiais para atendimento e orientação;
  4. Motivamos o povo de Deus para que continue valorizando os momentos em família
    por meio da oração do Terço e ao redor da Palavra de Deus;
  5. Temos a esperança de retomar as celebrações com participação dos fiéis no dia 20
    de fevereiro, quando estaremos iniciando o primeiro final de Semana da Quaresma.
  6. Considerando a data prevista para este possível retorno, não estaremos reunidos na Quarta-Feira de Cinzas, data tão importante para nossa fé, mas teremos a oportunidade de receber a imposição das cinzas durante o tempo da Quaresma. Nesse sentido, em breve estaremos enviando orientações litúrgicas para os párocos e as comunidades.

A instituição concluiu afirmando que, em breve, divulgará informações “sobre um serviço de escuta para as pessoas machucadas”. A igreja também destacou que indicará paróquias “para a celebração das exéquias a fim de que não percamos a dimensão pascal do momento que atravessamos”.

Leia a íntegra da carta:

COMPARTILHE