Manaus, 20 de maio de 2022

Literatura

Foto: Grupo Editorial Global/Reprodução/YouTube
Foto: Grupo Editorial Global/Reprodução/YouTube Foto: Grupo Editorial Global/Reprodução/YouTube

Poeta Thiago de Mello morre aos 95 anos em Manaus

Poeta amazonense morreu na madrugada desta sexta (14/1).

Da redação

O poeta Thiago de Mello morreu, na madrugada desta sexta-feira (14/01), em Manaus, aos 95 anos de idade. Um dos poetas mais respeitados do país, o amazonense era conhecido como ‘poeta da floresta‘.

Foto: Grupo Editorial Global/Reprodução/YouTube

A Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa do Amazonas (SEC-AM) comunicou o falecimento do poeta e lamentou. O governador do Amazonas, Wilson Lima, decretou luto oficial de três dias pela morte do poeta.

“É uma perda irreparável para nossa cultura. Que Deus conforte familiares e amigos do nosso grande poeta”, disse Wilson Lima.

Nas redes sociais, o prefeito de Manaus, David Almeida, também decretou luto. “Consternado, me solidarizo com familiares e amigos e decreto luto oficial por três dias em Manaus”, escreveu.

A causa da morte ainda não foi divulgada.

Velório

O velório será realizado no Centro Cultural Palácio Rio Negro, na Avenida Sete de Setembro, 1546, Centro de Manaus. O horário ainda será confirmado.

Foto: Reprodução/Facebook

Vida e obra

Amadeu Thiago de Mello nasceu no dia 30 de março de 1926, em Porantim do Bom Socorro, no município de Barreirinha, no Amazonas. Thiago de Mello é considerado um dos mais expressivos poetas do mundo.

Era um dos intelectuais mais engajados na defesa da Amazônia. Tanto que suas lutas o tornaram conhecido como o ‘poeta da floresta’.

Ainda criança, o poeta mudou-se para Manaus, capital do Amazonas, onde estudou no Grupo Escolar Barão do Rio Branco e no Ginásio Pedro II.

Na juventude, foi morar no Rio de Janeiro. Em 1950, ingressou na Faculdade Nacional de Medicina, mas não chegou a concluir o curso. Decidiu seguir a carreira literária. Na Literatura, conviveu com intelectuais do mundo. Em entrevista ao Projeto ‘Sempre um papo’, disponível no YouTube, o poeta destaca influenciadores de sua obra.

“Bandeira, Drummond e Lucio foram três pessoas que iluminaram a minha vida. Eles já se foram para as estrelas e eu continuo cantando e repartindo a minha esperança”, disse, em referência a Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Lucio Costa.

Foto: Reprodução/Facebook

Nos anos 1950, Thiago de Mello se posicionou contra o governo Getúlio Vargas. Em 1965, depois do seu retorno ao Brasil, passou apenas três anos no país. Após perseguição durante o Regime Militar, foi exilado no Chile. No período do exílio, Thiago de Mello se consagrou na luta pelos Direitos Humanos e viajou por diversos países. Essa fase foi marcada pelas obras e premiações decorrentes de suas ideologias e posicionamento em defesa da vida.

Quando voltou ao Brasil, após a anistia, anunciou, em coletiva à imprensa, que iria morar na Amazônia. 

Ao longo da carreira como literata, o poeta fez diversas parcerias artísticas, entre elas: com o cantor e compositor Sérgio Ricardo no show ‘Faz Escuro Mas Eu Canto’, dirigido pelo cronista e dramaturgo Flávio Rangel. Também fez parceria com o maestro Cláudio Santoro, que compôs uma peça sinfônica baseada em poemas de seu livro também intitulado ‘Faz Escuro Mas Eu Canto’.

Uma de suas obras literárias mais famosas é o livro ‘Os Estatutos do homem’, divulgado pela Unesco, em 1982. A sua publicação mais recente, o livro ‘Acerto de Contas’, editado pela Global Editora, foi publicado em 2015.

No vídeo, a seguir, a Editora Valer destaca a vida e obra do poeta:

COMPARTILHE