Manaus, 19 de junho de 2024

Literatura

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Mãe e filha contam histórias de superação em livro que será lançado em Manaus

Lançamento ocorre no sábado, 2 de dezembro de 2023.

Com informações da assessoria

Mãe e filha, as amazonenses Vanda Souza e Renata Rodrigues vão lançar o livro ‘Mulheres que se amam‘, no sábado, 2 de dezembro de 2023, em Manaus. Na obra, elas contam histórias de superação.

O evento de lançamento, que vai ocorrer às 9h30, na Casa Violeta Amazonas, no bairro Planalto, Zona Centro-Oeste de Manaus, contará com uma sessão de autógrafos.

Renata Rodrigues e a mãe, Vanda Souza, são coautoras do livro, que já foi lançado em São Paulo. Na obra, elas narram vivências, buscando impactar a vida de outras mulheres.

Renata Rodrigues e Vanda Souza. Foto: Divulgação

Narradas por mulheres de todo Brasil, as histórias de vida têm como foco a superação, a busca pela autoestima e o amor próprio.

‘Mulheres que se amam’ é uma obra literária que traz uma coletânea de 30 histórias, duas delas protagonizadas por Renata Rodrigues e Vanda Souza.

‘Mulheres que se amam’ surgiu a partir do movimento homônimo, criado pela especialista em autoestima, Bruna Legnaioli, que já ajudou mais de 15 mil pessoas. “O movimento sugere o autoconhecimento, a autoestima e a autoconfiança. O livro reúne 30 mulheres curadas por outras mulheres”, disse Renata, que assina o capítulo ‘O preço da mulher forte’.

Na narrativa, Renata traz a história dela, que desempenha inúmeros papéis. Para encontrar um equilíbrio emocional, ela aprendeu a desmistificar o mito de ‘super mulher’.

Renata Rodrigues. Foto: Divulgação

“Ser forte é ter coragem de ser vulnerável, é saber pedir ajuda quando necessário e se permitir sentir. Quanto você paga por ser uma mulher forte, o quanto você se tornou exigente com cobranças para alcançar a perfeição? Essa capa precisa ser retirada”, destacou.

Renata Rodrigues tem 43 anos, vem de uma família de empreendedores locais, o que lhe rendeu experiência e conhecimento para promover mentoria em gestão de empresas.

O processo pessoal de construção, a partir do autoconhecimento, vem de uma jornada de mais de dez anos dedicados às especializações terapêuticas e holísticas.

Vanda Souza. Foto: Divulgação

VIRADA DE CHAVE

Em 2015, Vanda aceitou caminhar ao lado da filha com o intuito de ressignificar o relacionamento familiar.

“A dor e o amor se encontram no núcleo familiar e na carreira. Não tínhamos uma boa relação (mãe e filha). Foi preciso aceitar o processo do autoconhecimento para progredir”, disse Renata.

Vanda se empenhou em trabalhar a autoestima, equilibrar as emoções para superar bloqueios e evoluir como mulher. Para ela, participar da obra literária é mais uma fase desse processo.

No capítulo ‘A menina que cresceu aos 57 anos’, Vanda conclama outras mulheres a se permitirem desconstruir padrões, independentemente da idade. “Sempre vivi para família, não me sentia amada nem capaz. Aos 57 anos me apropriei da mulher que me tornei. Sou mais feliz e segura”, afirmou Vanda, hoje com 61 anos.

Atualmente, as duas promovem encontros, lives e um tratamento de imersão vivencial, o ‘Raízes’, que acontece periodicamente em Manaus e traz a proposta de ressignificar relacionamentos familiares na fase adulta.

COMPARTILHE

error: Este conteúdo está protegido!