Manaus, 12 de julho de 2024

Literatura

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Livro ‘Povo de Alma Vermelha’ apresenta universo do Boi Garantido

Livro é assinado pelo jornalista, escritor e professor Allan Rodrigues.

Com informações da assessoria

Um livro feito para os torcedores apaixonados pelo Boi Garantido. Essa é a melhor definição para a obra ‘Povo de Alma Vermelha‘, do jornalista, escritor e professor Allan Rodrigues, lançado no dia 3 de dezembro, no Casarão de Ideias, localizado na Rua Barroso, 279, Centro de Manaus. A obra se propõe a apresentar o ‘universo encarnado’, do boi da Baixa do São José.

“Aprendi que tudo, absolutamente tudo, tem uma razão de ser no Boi Garantido. Desde a razão para escolha do seu nome até o motivo de suas apresentações iniciarem há 46 anos com a famosa ‘contagem’. Percebi que tudo no meu boi encerra um significado maior”, explica o autor.

Livro ‘Povo de Alma Vermelha, de Allan Rodrigues. Foto Reprodução

‘Povo de Alma Vermelha’ não se propõe a recontar a história do Boi do Povão, mas a registrar os símbolos, as tradições, os territórios, os hinos, histórias marcantes e seus protagonistas.

“Existem muitos livros dedicados, principalmente, a times de futebol que fala dos seus ‘heróis’, das grandes conquistas, das tradições, da forma particular de ver o mundo dos seus torcedores e o que significam os símbolos que dão sentido às suas paixões. Ainda não havia uma obra semelhante voltada aos bois de Parintins”, conta o autor sobre as razões que o levaram a escrever a obra.

O livro é destinado aos atuais e futuros torcedores do Garantido.

“Como surgiu o coração vermelho na testa do boi, as alvoradas, o Belezão (banho de cheiro) e a contagem? Quais são os territórios tradicionais do Garantido e como foram conquistados? Quais são toadas imortais? Como são as celebrações como a matança, as saídas nas ruas? São elementos centrais da identidade encarnada que precisam ser registrados para quem já é torcedor e para as futuras gerações de perrechés”, diz Allan Rodrigues.

A obra foi uma das premiadas no ‘Programa Cultura Criativa, 2020 / Lei Aldir Blanc – Prêmio Feliciano Lana’, do Governo do Estado do Amazonas, com apoio do Governo Federal, Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Fundo Nacional de Cultura.

COMPARTILHE

error: Este conteúdo está protegido!