Manaus, 1 de dezembro de 2023

Gastronomia

Foto: Divulgação/FAS
Foto: Divulgação/FAS Foto: Divulgação/FAS

Pirão de jambu vence ‘Prova da Farinha Ribeirinha’; aprenda a receita

Farinha tem como ingrediente principal a farinha Uarini (Ovinha).

Da redação

Uma receita feita com jambu ganhou a ‘Prova da Farinha Ribeirinha’, realizada pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS). O prato ‘Pirãojambu’ tem como ingrediente principal a farinha Uarini, também conhecida como farinha da Ovinha ou farinha da Amazônia. Aprenda a preparar, no vídeo ao final.

De acordo com a FAS, o concurso recebeu 31.982 votos. Na última fase, a competição gastronômica contou com votação popular pela internet.

A receita ‘Pirãojambu’ recebeu 11.385 votos. O segundo lugar ficou com o Bolo Uarini, que obteve 8.081 votos. O prato Capitão Uarini conquistou a terceira colocação, com 4.344 votos.

O resultado foi divulgado na última quinta-feira (23/9). As três ganhadoras são mulheres. A primeira colocada levou o prêmio de R$ 1,5 mil; a segunda, R$ 1 mil, e a terceira, R$ 500.

A receita ‘Pirãojambu’, de Horenilde da Silva Gomes, venceu a Prova da Farinha. Foto: Divulgação/FAS

Dinâmica desta edição

A competição ocorreu em formato totalmente online. Esta edição recebeu inscrições de mais de 40 receitas, enviadas de todo o país.

Na fase anterior à votação popular, os chefes de cozinha e jurados da prova selecionaram as dez melhores e mais criativas receitas.

Das dez escolhidas, oito eram de pessoas de Manaus, uma do Pará e uma de São Vicente, no litoral sul paulista.

Porém, das dez, dois competidores foram desclassificados por omitirem, no momento da inscrição, que tinham formação em gastronomia. “Uma das regras da competição é o competidor não ter formação profissional na área”, informou a FAS.

Os selecionados gravaram um vídeo preparando seu prato com a farinha. Os vídeos foram disponibilizados no site da FAS para consulta. A votação popular ocorreu por meio de um formulário online.

As oito receitas que participaram da final foram:

Bolo Uarini, de Carla Cristina Ferreira Zeni. Foto: Divulgação/FAS
  • Bolo Uarini – de Carla Cristina Ferreira Zeni e escolhida pela chef Debora Shornik, responsável pelos restaurantes Caxiri e Biatuwi Casa de Quinhapira;
  • Panrofa – Panquecas de Farinha de Mandioca – feita por Jorge Augusto Abbade Pereira, do Pará, que foi selecionada pelo chef Guga Rocha, que atua também como pesquisador, escritor e apresentador de TV;
  • Capitão Uarini – preparada por Willanir Silva Lima e escolha do proprietário do Ferrugem Rock Gourmet, chef Thiago Santana;
  • Pirarucu de Bikini – da competidora Renata de Souza Paula, seleção do chef Felipe Schaedler, responsável pelo Restaurante Banzeiro;
  • Pirãojambu – elaborada por Horenilde da Silva Gomes e escolhida pelo chef Paulo Fortunato do restaurante Fish Maria;
  • Cuscuz de Banana – feita por Cristiane Caitano Medeiros, que mora em São Vicente (SP), e escolha da chef Elisângela Valle, responsável pelo restaurante Tambaqui de Banda;
  • Farofa de Farinha Uarini com Mangará de Banana – preparada por Maria Ivete da Silva Alves, selecionada pela chef indígena Neurilene Cruz, do Restaurante Sumimi.
Capitão Uarini, de Willanir Silva Lima. Foto: Divulgação/FAS

Prova da Farinha

Iniciativa da FAS, a Prova da Farinha Ribeirinha é realizada em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Associação dos Moradores e Usuários da Reserva Mamirauá Antônio Martins (Amurmam).

A competição tem como objetivo escolher o melhor e mais criativo prato feito com farinha da Amazônia. O concurso gastronômico busca incentivar a produção da farinha do tipo Ovinha na região. É uma forma de apoiar os produtores e agregar valor ao produto.

As três campeãs da Prova da Farinha Ribeirinha. Foto: Divulgação/FAS

Farinha Ribeirinha

Desde 2008, a FAS desenvolve projetos que apoiam a melhoria da cadeia produtiva da farinha entre os ribeirinhos, buscando inovação no processo de fabricação e na qualidade do produto, que beneficia mais de 1,8 mil pessoas em Unidades de Conservação (UC).

A farinha é produzida e empacotada pelos próprios produtores e comercializada com o nome de ‘A Ribeirinha’, recebendo apoio técnico da FAS, com recursos do Fundo Amazônia/BNDES e do Ministério Público Federal do Amazonas.

Atualmente, o produto é comercializado em supermercados de Manaus e por meio do site da Americanas, com distribuição para todo país, através do projeto Jirau da Amazônia, canal de comercialização de produtos da floresta com toda venda revertida para os produtores ribeirinhos.

Aprenda a receita do ‘Pirãojambu’:

COMPARTILHE