Manaus, 30 de junho de 2022

Cinema

Foto: Divulgação/Grupo Samel
Foto: Divulgação/Grupo Samel Foto: Divulgação/Grupo Samel

Documentário inscrito no Oscar 2021 mostra exemplo da ‘Cápsula Vanessa’, do Grupo Samel

Longa gravado durante a pandemia está inscrito em três categorias.

Da redação

O documentário ‘Death Protocol’ (Protocolo da Morte) está na lista de filmes que entraram na corrida pelo Oscar 2021. O filme traz como personagem a ‘Cápsula Vanessa’, equipamento de Ventilação Não Invasiva (VNI), desenvolvida pelo Grupo Samel, em Manaus, durante a pandemia de Covid-19.

O longa é dirigido e produzido pelo ator, diretor e roteirista brasileiro André Felippe Di Mauro, sendo qualificado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas para concorrer nas categorias ‘Documentário Longa-Metragem’, ‘Música Original’ e ‘Trilha Sonora Original’.

As listas de seleção serão reveladas no dia 9 de fevereiro e as indicações ocorrerão no dia 15 de março. O 93º Oscar será realizado dia 25 de abril.

O documentário foi produzido durante a pandemia do novo coronavírus e retrata o protocolo de intubação orotraqueal precoce, adotado no início da pandemia na maioria dos hospitais e centros de saúde do mundo todo, e condenado pelo Grupo Samel.

O filme está disponível na plataforma ‘Sala de Cinema’ e o acesso está liberado para quem desejar assisti-lo, pelo link http://saladecinema.com/protocolo-da-morte/. A senha de acesso é: Vida.

À esquerda, o presidente da Samel, Luis Alberto Nicolau. Foto: Divulgação/Grupo Samel

Cápsula Vanessa

A ‘Cápsula Vanessa’ foi desenvolvida após o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus em Manaus, em março de 2020, pelo Grupo Samel, em parceria com o Instituto Transire, empresa do Polo Industrial de Manaus (PIM). O método permite o uso da VNI e impede a intubação orotraqueal precoce, que segundo estudos e profissionais de saúde, pode causar danos à saúde do paciente e leva-lo à morte.

Com o novo método, foi possível reduzir o tempo de internação de 20 para cinco dias, de acordo com o Grupo Samel. Após ganhar notoriedade e ser reconhecido, inclusive, pelo Ministério da Saúde, o procedimento também foi adotado durante o funcionamento do Hospital de Campanha Gilberto Novaes, da Prefeitura de Manaus.

Com a repercussão, a ‘Cápsula Vanessa’ também foi levada gratuitamente a outros municípios do interior do Amazonas e a outros estados, como Pará, Acre, Mato Grosso, Pernambuco e Santa Catarina, entre outros, chegando até ao exterior, como Bolívia e Colômbia.

Cápsula Vanessa. Foto: Divulgação/Grupo Samel

COMPARTILHE