Manaus, 30 de novembro de 2022

Amazônia

Foto: Divulgação/Musa
Foto: Divulgação/Musa Foto: Divulgação/Musa

Museu da Amazônia recebe fósseis de crocodilo extinto há 8 milhões de anos

Considerado antepassado do jacaré, espécie viveu na Amazônia.

Por Stephane Simões

O Museu da Amazônia (Musa) recebeu, no último dia 3 de dezembro, fósseis da mandíbula de um Purussaurus Brasiliensis, considerado o maior crocodilo do mundo, extinto há oito milhões de anos. O material fará parte de um acervo científico e de uma exposição que será inaugurada no Musa.

Os fósseis foram coletados em 2019, em uma expedição realizada em homenagem à professora Rosalie Benchimol, que revisitou os afloramentos do Rio Purus, no Amazonas, onde ela estudou.

Considerado o antepassado do jacaré, o Purussaurus Brasiliensis viveu na região amazônica, no período mioceno, e foi descoberto em 1892, pelo cientista brasileiro Barbosa Rodrigues. Pesquisadores afirmam que a mordida deste crocodilo era duas vezes mais forte que a do Tiranossauro Rex, o mais notório dos dinossauros.

O Museu da Amazônia fica na Zona Norte de Manaus. Foto: Divulgação/Musa

COMPARTILHE