Manaus, 7 de agosto de 2022

TUDOPod

Foto: Adaf/Divulgação
Foto: Adaf/Divulgação Foto: Adaf/Divulgação

Rabdomiólise: técnicos do Estado coletam peixes e amostras de água em Itacoatiara para análise

Dos 54 casos notificados até esta sexta, 36 são de Itacoatiara.

Da redação

Nesta semana, o Governo do Amazonas montou uma força-tarefa para investigar o surto de rabdomiólise em municípios do Estado. A síndrome está associada à Doença de Haff, conhecida popularmente como doença da ‘urina preta’.

Nesta sexta-feira (3/9), técnicos do Estado realizaram coleta de água e de peixes in natura em Itacoatiara. O material vai ser analisado em Manaus.

Ouça esta matéria em áudio:

Tatyana Amorim, diretora-técnica da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas- Dra Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), afirma que nessa sexta não houve novos registros da doença no Estado. “Mantivemos o número de casos notificados em 54, no que se refere à rabdomiólise, e sete pessoas internadas em Itacoatiara. Não tivemos registro de notificações de rabdomiólise neste dia”, reforça.

Dos 54 casos da síndrome notificados no Amazonas até esta sexta-feira, 36 são de Itacoatiara, sendo que uma dessas pessoas morreu. O Estado também registra casos de rabdomiólise em outras cidades: quatro em Silves, quatro em Borba, três em Manaus, três em Parintins, um em Caapiranga, um em Autazes, um em Maués e um em Manacapuru.

Técnicos do Estado coletaram amostras de água e peixes em Itacoatiara para análise. Foto: Adaf/Divulgação

O governo estadual enviou a Itacoatiara especialistas da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) e do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), da FVS-RCP. Os técnicos investigam a fundo as possíveis causas e formas de combater o surto da doença no Amazonas.

Um comunicado divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) nesta semana orienta que os moradores de Itacoatiara evitem o consumo de pescado extrativo, ou seja, de peixes que são provenientes de lagos e rios. Os moradores devem evitar o consumo de pirapitinga, pacu e tambaqui pelos próximos 15 dias.

A recomendação para os demais municípios é de alertar a rede de saúde para a identificação de possíveis novos casos e orientar a população quanto aos sinais e sintomas da doença.

Os peixes são uma forte suspeita, mas o Estado ainda investiga a origem do surto.

A origem do pescado vendido no Estado têm preocupado a população. Consultado pela reportagem, o engenheiro de pesca Erivan Oliveira, que atua como consultor de diversos frigoríficos, afirma que os peixes de viveiro comercializados por supermercados são seguros.

“O consumo de pescado da piscicultura é totalmente seguro devido todos os processos de controle sanitário que esse pescado passa tanto na parte da piscicultura, quando é despescado, quando nos procedimentos que são realizados dentro dos frigoríficos”, disse.

“Não há relato, na literatura, que houvesse algum tipo de ocorrência de doença, principalmente a que está ocorrendo em alguns municípios, que é a Doença de Haff, a doença da ‘urina preta’, em peixes da piscicultura. Então, podem consumir pescado normalmente oriundo da piscicultura, desde que o vendedor apresente o atestado sanitário, o guia de transporte e outras documentações que garantam a origem desse pescado”, acrescentou.

A rabdomiólise é uma síndrome clínico-laboratorial que decorre da lesão muscular com a liberação de substâncias intracelulares para a circulação sanguínea. Os sintomas da doença surgem de 30 minutos a 24 horas após o consumo.

Procedência

É importante ter atenção na hora de conservação o peixe – qualquer que seja a espécie e procedência. O produto deve ser mantido no gelo para evitar a degradação da proteína e riscos à saúde que vão além da rabdomiólise.

Sobre atendimentos em casos de suspeita da doença, em Manaus, pacientes adultos podem buscar uma unidade de saúde de urgência e emergência (SPA, UPA ou Pronto-Socorro). O Hospital e Pronto-Socorro da Criança (HPSC) da Zona Oeste está preparado para atender o público infantil.

Pacientes com sintomas de rabdomiólise do interior deverão fazer o primeiro atendimento no hospital ou outra unidade de saúde do município e, caso haja necessidade, a unidade hospitalar deverá fazer o encaminhamento para os hospitais de referência na capital.

*Esta reportagem foi veiculada na Rádio Panorama de Itacoatiara, neste sábado (4/9). Todos os sábados, o Programa Tudo a Declarar leva ao ar uma matéria especial sobre saúde, produzida pela jornalista Edilene Mafra.

COMPARTILHE