Manaus, 9 de agosto de 2022

TUDOPod

Foto: Eliena Monteiro/PEM
Foto: Eliena Monteiro/PEM Foto: Eliena Monteiro/PEM

Médico alerta para casos de trombose pós-Covid em Manaus; saiba como prevenir e tratar

Cirurgião vascular explica o que é a trombose e como evitar o problema.

Por Edilene Mafra

A trombose é uma das doenças que mais foram diagnosticadas no período pós-Covid no Amazonas. Antes da pandemia, o cirurgião vascular e radiologista Luís Claudio Cruz diagnosticava um caso de trombose, a cada dez pacientes atendidos em Manaus. Após a incidência de Covid-19, esse número saltou para seis. Em entrevista ao Portal Edilene Mafra, o especialista explicou como prevenir e tratar a doença.

Ouça essa matéria:

O cirurgião vascular Luís Claudio Cruz. Foto: Eliena Monteiro/PEM

O que é trombose?

A trombose é uma doença vascular que ocorre quando há um coágulo nas veias. Este coágulo causa o bloqueio da passagem do sangue, levando a inchaços e dores. “A trombose é o chamado sangue coagulado, o sangue pedrado. Como você altera o sistema de coagulação, esse sangue não consegue ficar ‘fininho’. Então, ele coagula, formando uma bolha. Isso é o trombo”, detalhou o cirurgião vascular.

Se o trombo se deslocar para outras áreas do corpo humano, há risco de embolia. “Embolia é o deslocamento do trombo para qualquer tipo de corpo, principalmente o pulmão”, afirmou o médico.

Médico explicou como prevenir e tratar a doença. Foto: Eliena Monteiro/PEM

Sintomas

Entre os sintomas da trombose estão: dor, vermelhidão e rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo. O médico alertou que pacientes que já sofrem de outras doenças devem aumentar os cuidados para evitar o problema.

“Principalmente aqueles que têm doença do sangue, que são os ‘trombofílicos’; aqueles que também têm doença na parte de coagulação, as trombofilias; e os hipertensos diabéticos, sedentários e obesos”, citou.

Varizes

O jornalista Lucius Gonçalves tinha problema de varizes e adiou o tratamento por conta correria do dia a dia, mas a doença evoluiu para um caso grave de trombose. Ele contou que a recuperação foi possível porque procurou ajuda médica assim que percebeu o inchaço nas pernas.

“O tratamento foi imediato. Minha veia femoral estava entupida em um grave estado de trombo. Foi muito sério. Então, imediatamente, eu internei. Eu fiquei com a perna imobilizada por sete dias”, relatou.

Lucius também fez um alerta às pessoas que manifestam sintomas da doença. “Quem tiver problema vascular, quem sentir problema de varizes, opere logo. Não espere! Se você tem oportunidade, se você tem condições financeiras, se você tem bons médicos, não deixe para depois”, enfatizou.

Casos de trombose aumentaram em Manaus após a pandemia. Foto: Eliena Monteiro/PEM

Trombose pós-Covid

O médico Luís Claudio Cruz atribui à Covid-19 um aumento nos diagnósticos de trombose em Manaus. Ele também explicou como a doença se agrava com o novo coronavírus.

“Antes da pandemia, a cada dez pacientes atendidos por dia, eu atendia um caso de trombose. Na Covid, de cada dez, seis eram de trombose pós-Covid. A gente observou que esse vírus causava uma inflamação muito intensa dentro dos vasos, principalmente pulmonares, e com isso, ele alterava a coagulação, levando à trombose. As mortalidades se deviam muito às tromboses nos vasos pulmonares”, informou.

Tratamento

Na casos mais comuns de trombose, o tratamento dura de seis meses a um ano. Para o cirurgião vascular, a prevenção é a melhor alternativa, especialmente durante a pandemia.

“Geralmente, a gente recomenda o uso de meia elástica – eu sempre recomendo, apesar do nosso clima – e exercício, uma caminhada, uma boa alimentação, evitar gordura, fritura”, afirmou.

Médico atende em Manaus. Foto: Eliena Monteiro/PEM

Pandemia

Na entrevista, o especialista destacou que a Covid-19 tem sido seu maior desafio em 21 anos como médico. Ele afirmou que, todos os dias, tenta entender a doença e como ela tem agravado, principalmente nos casos vasculares.

De acordo com o cirurgião vascular, os profissionais da medicina ainda não tiveram tempo suficiente para compreender a doença causada pelo novo coronavírus. Ele acredita que hoje a melhor solução é a vacina.

*Este conteúdo foi veiculado no Jornal da Manhã Edição de Domingo, da Rádio Difusora FM (96,9), deste domingo (4 de julho de 2021).

COMPARTILHE