Manaus, 12 de julho de 2024

Música

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal Foto: Arquivo Pessoal

Após um ano de internação em Manaus, cantora seguirá tratamento domiciliar contra Covid

Eva Rodrigues foi diagnosticada com coronavírus durante gravidez.

Por Sabrina Rocha

A musicista Eva Rodrigues, de 40 anos, recebeu alta médica, após ficar internada por mais de um ano devido a complicações causadas pela Covid-19. A cantora, que é conhecida no cenário da música gospel em Manaus, foi diagnosticada com o novo coronavírus durante o fim de uma gestação em janeiro de 2021. Ela vai seguir com o tratamento em casa.

Segundo informações do marido de Eva, o engenheiro Sol Petrus, o retorno para casa ainda depende de alguns detalhes, como a compra de medicamentos e a contratação de técnicos de enfermagem.

Atualmente, Eva ainda não consegue andar em razão da perda de massa muscular, mas mantém os reflexos, de acordo com os médicos. A artista também tem algumas sequelas neurológicas causadas pela falta de oxigenação no cérebro, e não consegue falar por conta da traqueostomia, mas já interage com a família e entende o que ocorre ao seu redor.

A equipe médica afirmou que aparentemente o quadro clínico da musicista é reversível com estímulos motores e neurológicos. “Por conta disso o tratamento domiciliar parece ser o caminho perfeito, no momento, para impulsionar o tratamento”, destacou Petrus.

Eva e Petrus. Foto: Arquivo Pessoal

UTI em casa

Após a internação da musicista, Sol Petrus e Ethan, filho do casal, tiveram que mudar para a casa de familiares. No local, o esposo de Eva construiu uma Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) para recebê-la.

Durante o tratamento, a cantora vai receber visitas periódicas de médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e dentistas, além de técnicos de enfermagem, que serão contratados para acompanhá-la durante 24 horas.

Desde a internação de Eva e do nascimento de Ethan, Petrus tem recebido doações para ajudar nos custos do bebê e na construção do quarto adaptado. Agora, com a alta médica, o que for recebido também será usado para custear o tratamento domiciliar da artista.

Quem tiver interesse em doar, pode ajudar por meio da chave PIX: [email protected].

Gravidez

Ao Portal Edilene Mafra, o marido de Eva Rodrigues lembrou que antes da infecção pelo novo coronavírus, o momento que eles viviam era especial.

“Tínhamos acabado de nos aconchegar no apartamento que queríamos. Era alugado, mas estava ideal. Eu fazendo faculdade e o estágio em uma empresa, e ela cursando jornalismo na Faculdade Martha Falcão”, lembra o marido.

Eva estava grávida de Ethan, primeiro filho do casal. A gestação já era considerada de risco, por conta da provável incompatibilidade sanguínea com o bebê causada por uma doença chamada de Eritroblastose Fetal.

Casal é musicista. Foto: Arquivo Pessoal

Infecção

Após ser diagnosticada com Covid-19, Eva foi encaminhada à Maternidade Ana Braga, em Manaus. Naquele momento, a unidade de saúde era responsável por atender as gestantes com o vírus.

Levando em consideração o risco da gestação e a infecção pela Covid-19, a equipe médica fez o parto de Ethan no dia 3 de janeiro de 2021.   

O bebê nasceu com a pele de cor amarelada, o que indicava icterícia – problema comum em recém-nascidos. Ele foi submetido a exames.

Durante o período de tensão com o bebê, o casal não percebeu uma piora no estado de saúde da musicista. “A gente estava na correia, o Ethan precisou fazer uma fototerapia com luzes fluorescentes para tratar a icterícia. A gente era acompanhado de obstetra e pediatra, que ficavam de olho nele e não vimos uma piora no quadro da Eva, que estava também focada no bebê”, lembra.

No dia 7 de janeiro de 2021, Eva apresentou complicações nos pulmões, que estavam comprometidos por conta do novo coronavírus. Ela foi intubada e levada para a UTI.

Tranferência

Ainda na Maternidade Ana Braga, após um mês de internação, Eva teve duas paradas cardiorrespiratórias. Após o episódio, os médicos tiveram que realizar uma traqueostomia, e desde então, a artista continua dependendo do oxigênio via traqueia.

No final do mês de fevereiro de 2021, Eva Rodrigues foi transferida para um hospital da rede Samel. Os custos hospitalares estão sendo pagos pela empresa em que Petrus trabalha.

Desde a internação, que ocorreu em janeiro de 2021, Eva teve convulsões, paradas cardíacas, infecção bacteriana, fibrose pulmonar, além 20% do pulmão retirado.

Eva pensava em ser cantora desde a infância. Foto: Arquivo Pessoal

Eva Rodrigues

Eva Rodrigues descobriu a paixão pela música por volta de quatro anos de idade. Na época, a cantora e compositora morava no Estado do Espírito Santo.

“Ela conta que estava na rua, brincando, toda descabelada e de calcinha, quando escutou aquele canto bonito que vinha da igreja, uma garotinha cantava em cima do banco. Ela ficou encantada e, desde ali, entrou para igreja e sabia que era aquilo que queria fazer”, recorda Sol Petrus.

Eva já atuou como professora de música e deu aulas no coral de igrejas. Também integrou a banda gospel ‘Hope Music’ (@oficialhopemusic). A artista e o esposo, que além de estudante de engenharia elétrica, é multi-instrumentista, se aproximaram por conta da música.

Juntos, eles lançaram em 2020, o single ‘Atitude’, que está dispoível no Spotify.

COMPARTILHE

error: Este conteúdo está protegido!