Manaus, 8 de dezembro de 2022

Música

Foto: Secom/Divulgação
Foto: Secom/Divulgação Foto: Secom/Divulgação

Autoridades, fãs e amigos prestam homenagens a Zezinho Corrêa

Artista faleceu neste sábado (6/02), por complicações da Covid-19.

Por Stephane Simões

Autoridades, amigos e fãs do artista Zezinho Corrêa prestaram homenagens ao amazonense. O cantor faleceu na manhã deste sábado (6/2), em Manaus, vítima de complicações da Covid-19. Zezinho ganhou reconhecimento nacional e internacional, nos anos 1990, com o hit ‘Tic Tic Tac’.

O jornalista e escritor Fabrício Nunes escreveu que “hoje o tambor vai bater na cadência mais triste”. Nunes ressaltou a oportunidade de ser amigo pessoal de Zezinho, além da chance de escrever a biografia do cantor, que ele tinha como ídolo.

“Trabalhar com o meu ídolo da infância ao lado de grandes artistas da cidade foi incrível. Trabalhar com quem gostamos é prazeroso. Escrever sobre a vida de Zezinho e ter o prazer de ser lido por ele foi tão grandioso. Ele estava feliz e realizado com o livro”, escreveu.

Zezinho recebeu homenagens neste sábado. Foto: Ingrid Anne Arquivo/Manauscult

Nas redes sociais, a família do cantor David Assayag publicou uma foto do artista com Zezinho. O levantador de toadas afirmou que ele sempre será um ícone da cultura amazônica.

“Sua partida precoce é uma perda irreparável para todos nós. Agora, alegrará com o seu canto o azul do céu e brilhará nas noites a tua estrela. Meus sinceros sentimentos à toda a família Corrêa. Que Deus conforte o coração de todos os seus amigos, fãs e familiares”, completou.

O músico percussionista Ygor Saunier agradeceu por tudo o que o artista fez pela cultura Amazônida, e por ter tido a honra de tocar com Zezinho, em seus shows.

Zezinho faleceu neste sábado. Foto: Ingrid Anne Arquivo/Manauscult

“Um artista que, em uma época onde o terrível complexo de colonizados nos fez tão mal, fortaleceu e nos devolveu, de certa forma, um orgulho de ser amazônida. Fique certo de que continuarei a bater nossos tambores cada vez mais forte”, acrescentou.

O ator, diretor e cientista social Márcio Braz afirmou que o Teatro Experimental do Sesc Amazonas, do qual Zezinho fez parte, perdeu um grande ator. Ele agradeceu por todos os trabalhos que ele realizaram juntos e pela amizade do artista.

“Zé sempre foi um homem de teatro. Se consagrou na música, que amava, mas quando viajava por aí, sempre ia ao teatro. Não consigo lembrar de nada triste com o querido amigo Zezinho Corrêa. Fará muita falta. Fica junto, Zé. Te amamos”, concluiu.

Prefeitura de Manaus

A Prefeitura de Manaus emitiu nota de pesar lamentando a morte do artista, destacando que Zezinho participou de todos os grandes eventos promovidos pela Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), ao longo dos últimos anos, como Boi Manaus, Passo a Paço, Carnaval, Festival Folclórico do Amazonas e Réveillon.

“O cantor também foi a ‘cara e voz’ de Manaus na edição do Rock in Rio, em 2017. Sempre carismático, levava alegria aos fãs ao som do ‘Tic Tic Tac’, por onde passava. Zezinho deixa como legado seu indelével trabalho nas artes, seja na música, no teatro ou na articulação cultural, e imensas saudades para todos os fãs que o conheceram e se encantaram com sua voz e a força do tambor que batia”, diz a nota.

Cantor foi destaque em apresentações da Manauscult. Foto: Ingrid Anne Arquivo/Manauscult

Governo do Amazonas

O Governo do Amazonas também emitiu nota de pesar. O Estado ressaltou a participação de Zezinho no musical ‘Boi de Pano’, no Festival Amazonas de Ópera de 2000, a gravação do seu CD solo, em 2001, no Teatro Amazonas e a presença no musical de Natal ‘Ceci e a Estrela’, em 2017.

“Hoje perdemos um grande artista, um artista que certamente deixa seu nome marcado na história da cultura do nosso Estado. Um dos nossos maiores representantes, que levou o nome e a Cultura do Amazonas para o mundo inteiro, através de seu talento, de seu carisma e de sua voz encantadora. Perco também um grande amigo, uma pessoa que faz parte da minha história como artista e como ser humano. Nosso coração se entristece. O céu, certamente, o recebe com alegria e o Amazonas fica um pouco mais triste”, destacou o secretário de Cultura, Marcos Apolo Muniz.

Zezinho participava dos eventos realizados pelo Estado. Foto: Secom/Divulgação

COMPARTILHE