Manaus, 8 de dezembro de 2022

Cultura

Foto: João Viana/Semcom
Foto: João Viana/Semcom Foto: João Viana/Semcom

‘Mostra de Arte Indígena’ abre comemorações do aniversário de 353 anos de Manaus

A exposição ocorre no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico.

Com informações da assessoria

As comemorações dos 353 anos do aniversário de Manaus começaram nessa quarta-feira (5/10), com a abertura da 2ª Mostra de Arte Indígena de Manaus. A exposição recebe visitas no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico, de segunda a sexta, das 8h às 17h. A entrada é gratuita.

A mostra é realizada pela Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e pelo Conselho Municipal de Cultura (Concultura).

Foto: João Viana/Semcom

O presidente da Manauscult, Alonso Oliveira, deu às boas-vindas aos convidados e à imprensa, na abertura da mostra. Ele destacou que a prefeitura “ampliou o projeto da mostra indígena que, na sua primeira edição, exibiu as obras de oito artistas de cinco povos e, na atual, terá representação de 12 etnias e 26 artistas”.

O presidente do Concultura, Tenório Telles, ressaltou a riqueza e diversidade multicultural de Manaus. “Somos a capital indígena do país e, por isso, precisamos dar o justo e merecido espaço nas comemorações que marcam o aniversário de Manaus”, disse.

Estavam presentes ao evento o vereador William Alemão, representando a CMM; o titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiental e Sustentabilidade (Semmas), Antonio Stroski; a analista técnica, Márcia Lima, representando o Sebrae-AM; e o vice-presidente do Concultura, Neilo Batista.

Foto: João Viana/Semcom

Artistas

Os artistas descendentes dos povos originários participam desta edição da mostra de artes. São 26 artistas de 12 povos indígenas residentes em Manaus.

Eles estão expondo obras de arte, como quadros, esculturas e vestimentas com grafismos, expressando culturas e cosmologia.

Os artistas e quadros apresentados na mostra são dos artistas: Dani Sateré, Tuniel Auaretê Mura, Tayná Sateré, Elisete Ticuna, Jaime Diakara Dessana e Francisco Yarikawa Kokama, Francisco Tchampan Maricaua Kokama, Kawena Kokama (Clã Maricaua), Chermie Ferreira Kokama, Duhigó (Tukano), Dhiani Pa’saro (Wanano), Iwiri-ki (Apurinã), Yupury (Tukano), Sãnipã (Apurinã), Amadeus Sateré, Jorzene Sateré, Mayra Bello Mura, Seanny Munduruku, Ivan Barreto Tukano.

Os trabalhos em artesanato são de Adriana Martins Baré, Lino Mura e Natália Ticuna. As peças em vestimentas são de Angélica Ticuna, Mercedes Tukano, Neide Miranha, Seanny Munduruku, Mayra Bello Mura e Elisangela Oliveira Kulina.

Foto: João Viana/Semcom

Curadoria

A curadoria da mostra é feita pelo antropólogo e professor João Paulo Barreto Tukano, que participou da primeira edição. A produção é da artista visual Monik Ventilari.

“Queremos quebrar os preconceitos e abrir caminho para o diálogo entre os diferentes povos que habitam neste território, com concepções próprias de existências e manifestações cultuais”, disse Tukano.

COMPARTILHE