Manaus, 16 de janeiro de 2022

Coronavírus

Foto: NIAID
Foto: NIAID Foto: NIAID

Prefeitura de Manaus emite alerta às unidades de saúde sobre a variante Ômicron

Até quinta, ministério confirmou cinco casos da variante no Brasil.

Com informações da assessoria

O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), da Prefeitura de Manaus, emitiu nesta quinta-feira (2/12), alerta às unidades da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), com orientações sobre procedimentos em razão da circulação da variante Ômicron, classificada como Variante da Preocupação (VOC), pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Até quinta, o Ministério da Saúde confirmou cinco casos da variante Ômicron no Brasil – três em São Paulo e dois no Distrito Federal. Conforme informações da Agência Brasil, são quatro homens e uma mulher, todos vacinados contra a Covid-19. Eles estão isolados e pelo menos um apresenta sintomas leves. A maioria está assintomática.

Foto: NIAID

Alerta em Manaus

A titular da Semsa, Shádia Fraxe, explica que o objetivo do alerta é realizar a divulgação de situações com potencial emergência em saúde pública, no atual cenário epidemiológico da Covid-19.

“Nossa equipe técnica está atenta e já elencou as principais medidas a serem observadas para que possamos manter a guarda, protegendo nossos usuários, conforme orientação do prefeito David Almeida. Temos a vacina e precisamos que toda a população continue adotando os cuidados individuais como o uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social”, indica.

De acordo com o alerta, as unidades de saúde do município devem intensificar ações que colaborem para o aumento da cobertura vacinal; realizar busca ativa diária de pessoas suspeitas de estarem com Covid-19; notificar os indivíduos suspeitos que se enquadrem na definição de caso, adotando as recomendações de manejo de casos e contatos conforme o Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde; e enviar imediatamente uma cópia da notificação ao Cievs Manaus.

Além disso, orienta que seja reforçada, junto aos servidores das unidades e usuários, a manutenção das medidas de prevenção não farmacológicas como uso regular de máscaras, etiqueta respiratória, distanciamento social, higienização das mãos com álcool em gel ou água e sabão e evitar locais fechados com aglomeração de pessoas.

Informações

O documento do Cievs Manaus destaca o que há, até agora, de conhecimento científico sobre a nova variante. Quanto à gravidade, ainda não está claro se a infecção por Ômicron causa doença mais grave em comparação com infecções com outras variantes. Dados preliminares sugerem que há taxas crescentes de hospitalização na África do Sul, onde o índice de cobertura vacinal é muito baixo, mas isso pode ser devido ao aumento do número geral de pessoas que estão se infectando e não devido a uma infecção específica pela variante. Atualmente, não há informações que os sintomas associados a Ômicron sejam diferentes daqueles de outras variantes.

No que se refere à transmissibilidade, os registros apontam que o número de pessoas com teste positivo aumentou em áreas da África do Sul afetadas por esta variante, mas estudos epidemiológicos estão em andamento para entender se é por causa da Ômicron ou outros fatores.

Evidências preliminares sugerem que pode haver um risco aumentado de reinfecção com Ômicron em comparação com outras variantes preocupantes. O alerta aponta, ainda, que estudos técnicos estão sendo realizados para entender o impacto potencial dessa variante nas medidas existentes, incluindo vacinas. As vacinas atuais permanecem eficazes contra doenças graves e morte.

COMPARTILHE