Manaus, 6 de dezembro de 2022

Amazônia

Foto: Divulgação/SSP-AM
Foto: Divulgação/SSP-AM Foto: Divulgação/SSP-AM

AM bate recorde com resgate de 658 animais silvestres da Amazônia neste ano

Répteis como cobras, jacarés e quelônios estão na lista.

Com informações da assessoria

De janeiro a setembro deste ano, o Batalhão Ambiental do Amazonas resgatou 658 animais silvestres da Amazônia em situação de maus-tratos. Répteis como cobras, jacarés e quelônios estão na lista.

Os bichos foram encaminhados a centros de proteção ambiental em Manaus.A Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) informou que as ações de captura e resgate de animais silvestres bateram recorde.

Ao longo de todo o ano passado, 676 animais silvestres foram resgatados. Neste ano, entre janeiro e setembro, as ações nesse segmento acumulam alta de 95%, com 109 mamíferos, 207 aves, 113 répteis e 229 quelônios resgatados.

Foto: Divulgação/SSP-AM

Para onde os animais são levados

O estado de saúde do animal é o que determina para onde ele será encaminhado. Quando estão bem, eles são devolvidos à natureza.

Quando há algum ferimento, o bicho resgatado é entregue aos cuidados do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O major Wallasson Lira, comandante do Batalhão Ambiental, contou que a avaliação verifica se há sinais de maus-tratos, doenças ou parasitas. Depois disso, é analisada a condição de reinserção do animal na natureza, o que é feito em parceria com o Ibama.

Foto: Divulgação SSP/AM

“Atuamos, principalmente, na fiscalização e combate aos crimes ambientais, não somente na calha dos rios, como nas rodovias, em ações integradas com outros órgãos. Nos últimos 90 dias, o batalhão vem trabalhando na operação ‘Hórus’, e o prejuízo para o crime ambiental foi de mais de R$ 20 milhões”, afirmou.

Em uma das ações do batalhão ambiental, foram apreendidos, aproximadamente, 12 mil peixes ornamentais da espécie Corydora, após patrulhamento na Balsa Verde da Manaus Moderna. Os envolvidos foram detidos e levados para a Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (Dema), da Polícia Civil do Amazonas. Os peixes foram encaminhados para o Cetas.

“Geralmente, o infrator já passou pela polícia e tem contatos no exterior. Alguns chegam a usar os ribeirinhos para a caça, tanto peixe como outros animais são levados para o mercado internacional”, explicou.

Foto: Divulgação/SSP-AM

Situações de resgate

O Batalhão pode ser acionado pela população nos casos em que animais silvestres são encontrados em residências ou em vias públicas e, ainda, nas situações de entrega espontânea.

Conforme o artigo 29 do Código Ambiental, matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, pode resultar em detenção de seis meses a um ano e multa.

Para denúncias ou pedidos de resgate, a população pode entrar em contato pelo telefone do Batalhão Ambiental da Polícia Militar, que atende no (92) 98842-1553 ou 98842-1547. As denúncias também podem ser feitas ao 181, o disque-denúncia da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

Foi por meio de denúncias que ocorreram 64% das ações de captura. Outros cerca de 30% se deram por entregas voluntárias.

COMPARTILHE