Manaus, 28 de novembro de 2022

EVENTOS

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Projeto do AM promove bate-papo sobre gordofobia e turismo

A convidada para o evento online será Thaíse Marcião.

Por Sabrina Rocha

O evento ‘Happy Hour Científico’, que faz parte do Projeto Mais Acesso, realiza a sua segunda edição, nesta quinta-feira (9/12). No bate-papo, a mediadora Marklea Ferst vai receber Thaíse Marcião e o tema, que será abordado, é: ‘Gordofobia e Turismo’.

A conversa será transmitida pelo canal oficial do projeto no YouTube (@ProjetoMaisAcesso), às 18h30.

“Vamos abordar o preconceito nas atividades turísticas e as dificuldades que uma pessoa obesa tem na fruição da atividade turística” explica Marklea Ferst.

A primeira edição do evento abordou sobre o dia-a-dia de uma pessoa com deficiência visual.

No bate-papo ‘Happy Hour Científico’, a mediadora Marklea Ferst vai receber Thaíse Marcião. Foto: Divulgação

Inscrições

Quem quiser participar do ‘Happy Hour Científico’ e receber um certificado de participação de 2h de atividades complementares, deve se inscrever pelo link: https://www.even3.com.br/happyhourcientifico/.

Também deverão assinar a lista de presença, que será repassada no dia do bate-papo.

Projeto Mais Acesso

O Mais Acesso é ligado ao projeto de extensão ‘O atendimento faz check-in: Acessibilidade atitudinal e o seu impacto na atividade turística’, realizado pelo curso de Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). O projeto é coordenado pela Doutora em Turismo e Hotelaria Marklea Ferst e foi criado em julho de 2021.

Conforme a coordenação, as ações buscam desenvolver soluções digitais de ensino e aprendizagem. O objetivo é capacitar pessoas que trabalham no atendimento ao turista com deficiência ou mobilidade reduzida, além de viabilizar a acessibilidade na atividade turística.

O projeto visa sensibilizar também sobre a importância da acessibilidade nas redes sociais e desenvolver um curso de capacitação. Posteriormente, o curso será disponibilizado em um site e aplicativo desenvolvidos com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam).

COMPARTILHE