Manaus, 1 de dezembro de 2022

Geral

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Enéas Gonçalves, ex-prefeito de Parintins, morre em Manaus

Ele foi vítima de complicações da Covid-19.

Da redação

Enéas Gonçalves Sobrinho, 64, ex-prefeito de Parintins, faleceu na madrugada desta segunda-feira (15/2), em Manaus. Ele foi vítima de complicações da Covid-19. Em nota, a Prefeitura de Parintins lamentou a morte.

De acordo com informações da Prefeitura de Manaus, que lamentou o falecimento, Enéas Gonçalves estava em tratamento há duas semanas no hospital Check-Up, na capital do Amazonas.

Enéas Gonçalves foi vítima de complicações da Covid-19. Foto: Reprodução

Carreira

Filho do ex-prefeito Gláucio Gonçalves e de dona Walkiria Viana Gonçalves, Enéas Gonçalves deixa um marco na política parintinense como prefeito e deputado estadual. Por 30 anos, se dedicou a servir a Caixa Econômica Federal como funcionário de carreira.

Em 1986, aos 30 anos de idade, Enéas foi eleito o deputado estadual mais jovem, com a votação mais expressiva do interior do Amazonas. Em 1988, foi eleito prefeito no município de Parintins. Encerrado o seu mandato, garantiu, por mais três legislaturas, cadeira na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). O retorno a Parintins, como prefeito, aconteceu em 2000.

Além dos mandatos públicos, também fez história no rádio do município amazonense, tendo sido diretor e sócio da Clube de Parintins, conduzindo, ainda, dois programas diários.

Na Rádio Clube de Parintins fez história com o programa Cartão Amarelo. “Descontraído, Alegre e com suas dicas, Enéas tinha a maior audiência da rádio em Parintins e região pelas manhãs”, destacou a Prefeitura de Parintins.

O prefeito de Parintins, Frank Bi Garcia, decretou luto oficial de três dias de luto oficial no Município. “Externamos sentimentos de pesar à sua mãe dona Walkiria, irmãos e a seus filhos em nome da vereadora Vanessa Gonçalves. Desejamos que Deus possa confortar o coração de todos e dar forças nesse momento de muita dor com essa perda irreparável”, diz a nota assinada por Bi Garcia.

COMPARTILHE